segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Uniban, Nazismo, KKK, Talibã, Tudo a Ver

O ser humano conseguiu fazer o imaginável quando foi à Lua. Conseguiu avanços revolucionários na ciência médica, salvando vidas com transplantes de órgãos. Conseguiu outras conquistas e avanços revolucionários ao mapear o DNA, ao clonar seres vivos, ao desenvolver o computador e a internet. A mulher conseguiu espaço e destaque no mundo como presidentas, ministras, pesquisadoras, estudiosas, doutoras, grandes personalidades da vida política, artística, e empresarial. Apesar desses avanços mundiais, apesar das conquistas e sucessos das mulheres, mesmo diante de tantos conhecimento acumulados, ainda há pessoas desinformadas, ignorantes, burras, para quem o fato de uma mulher usar um mini vestido na universidade é motivo para grosserias, agressão, tentativa de linchamento.

Essas bestas humanas da Uniban que agrediram com estupidez, crueldade e violência a estudante Geisy mereciam passar por um longo estudo e tratamento psiquiátrico. Precisam de um tratamento intensivo de relacionamento e convivência humana para banir do cérebro o preconceito, a intolerância, o racismo e a falsa moralidade que está impregnada em suas cabeças imbecis. Que pessoas são essas, que tipo de profissional está sendo formado nessa universidade? O que os professores estão ensinado a esses alunos? Agiram como nazistas quando avistavam um judeu, como a KKK quando tinham um negro nas mãos, como os talibãs que apedrejam mulheres em praça pública até a morte. A conivência da diretoria da universidade Uniban com essa aberração, expulsando a vítima e protegendo os agressores, é inaceitável, tem que ser repudiado pelos órgãos governamentais competentes, pela comunidade estudantil, pela sociedade consciente.

Por Jussara Seixas

3 comentários:

Claudinha disse...

Lamentável o episódio. Mesmo considerando a inadequação da moça. Pessoas inadequadas existem aos montes por esse mundo, nem por isso passam pelo que a moça passou. Pior foi a universidade ser conivente com a atitude dos alunos. Universidade é lugar de formação, informação, e não de preconceito. Por mais que eu não goste das atitudes do outro, não vou agredi-lo jamais. Ele não me agride porque não gosta de minhas atitudes....Bjs

Al.way disse...

Concordo plenamente.
Eu acho que a direção deveria chamar a moça e aconselhá-la a não ir vestida daquela maneira na faculdade. Isso sim, seria mais digno porque todo mundo está sujeito a cometer um erro na vida. Eu já cometi, você já cometeu. Ninguém é perfeito. Agora, porque ela teve a infelicidade de se vestir daquela maneira para ir à faculdade não é motivo para ser massacrada como ela foi. A história foi realmente de uma imbecilidade imensa.

MARCELO JACOB disse...

Sinceramente, gostaria de entender o que se passou na cabeça do imbecil que iniciou todo esse evento. Inveja? Despeito? "Falso Pucor"?
Hoje em dia se prega tanto a liberdade de expressão, de sentimentos e religioso e somos obrigado a ver "gente" descriminando outras pela roupa que usam, isso é simplesmente surpreendente