terça-feira, 3 de agosto de 2010

Governo Wagner democratizou a cultura

O diretor-geral da Fundação Pedro Calmon, Ubiratan Castro, afirmou, na noite dessa segunda-feira (3), que antes da gestão do governador e candidato à reeleição Jaques Wagner, a cultura era tratada apenas como um departamento. “Antes, aqui na Bahia, não existia nem uma secretaria de cultura. Ela era tratada como um setor da secretaria do turismo”, afirmou durante a sabatina promovida pelo grupo A Tarde na Faculdade Dom Pedro II.

Castro citou também como pontos positivos da gestão a democratização da cultura através dos pontos de cultura. “A cultura é cidadania e a afirmação de um povo. É isso que estamos fazendo no estado”, explicou. Ele citou ainda que, dos 417 municípios baianos, apenas 20 ainda não possuem uma biblioteca pública.

“Esse processo da democratização da cultura é irreversível. Agora a população exige que ela seja ampliada”, completou. O próximo acontece na próxima segunda-feira (9), na Faculdade Baiana, com a temática de saúde.

2 comentários:

Blogueiros disse...

Olá, Rick.
Tudo bom?

Meu nome é Paulo Castro, sou jornalista, e estou trabalhando no comitê da nossa futura presidenta Dilma, para cuidar e auxiliar o relacionamento de vocês - blogueir@s - com a campanha. Poderia entrar em contato comigo, por e-mail (blogueiroscomdilma@gmail.com), para que possamos conversar?

Um abraço,
Paulo.

Camille Silva disse...

Olha, Rick, infelizmente não é isso que eu vejo no meu dia-a-dia. E outra, a educação é importante, mas um governador deve cuidar de todos os problemas do estado não acha? deixar o resto ruim não funciona.